Skip to content
30/11/2014 / kamiyaferows

2Damn! Vida longa ao pixel art.

Aloha, pessoinhas que de vez em quando se perdem por aqui. Hoje vim lhes indicar alguns jogos 2D para que os confrades que compartilham comigo o gosto por tal gênero, possam também se deliciar.
Ou deveria dizer, provavelmente já se deliciaram, desde que os jogos não são tão novos, mas não custa reforçar a qualidade deles com um dedão positivo (ou como diria o Chapelleiro, um super .Dalton).
continue-lendo

Read more…

28/09/2014 / chapelleiro

Apenas de passagem…

… para deixar uma tirinha de história que li:

http://tapastic.com/episode/63712

O engraçado foi que eu estava escutando moonlight sonata bem na hora em que fui apresentado a história, e acabou “casando” bem o peso da musica com a história.

06/06/2014 / kamiyaferows

Fora da vista

Como uma garotinha cega enxerga o mundo.
Para mais detalhes sobre o vídeo, clique aqui.

06/05/2014 / chapelleiro

Dica De Leitura Nº…

… Me fugiu a contagem.

Rapa(riga)z, confesso que a dica a seguir salvou este chapelleiro, que se deteriorava pouco a pouco em uma abstinência por não encontrar mais um Calvin e Haroldo que não houvesse visto. Trago a vocês o excepcional:

MUTTS: Os Vira-Latas (de Patrick McDonnell)
01
Olha, só tenho e elogios e reverências ao criador desta obra. Conseguiu desenrolar em suas tirinhas aquele humor simples e inteligente, com personagens carismáticos que provavelmente arrancar-lhe-ão um sorriso da face sem muito esforço (e se você aprecia esse tipo de quadrinho, ai é amor na certa!).

0_1
Welp, vamos ao dados: A tira de quadrinhos MUTTS foi criada em 1994 por Patrick McDonnell e hoje é publicada em mais de 700 jornais distribuídos em 20 países pelo mundo, atingindo mais de 180 milhões de leitores diariamente.

Considerados dois dos personagens mais simpáticos dos quadrinhos atuais, o cãozinho Duque e o gatinho Chuchu são os astros principais de MUTTS, que traz uma mensagem positiva e alegre de amor e responsabilidade que toca pessoas de todas as idades.

Descrita por Charles Schulz, o criador de Snoopy, como “uma das melhores tiras de quadrinhos de todos os tempos”,  MUTTS é para todas as pessoas que se importam com o bem-estar do planeta Terra e os animais com quem nós o dividimos.

022

Não sei quanto a vocês, mas o traço me atraiu bastante também. Talvez porque o Chuchu me lembre muito o gato das tirinhas do argentino Liniers em Macanudo, outro excelente quadrinho que pretendo comentar com calma/tempo.

Queria poder arrumar mais exemplos e despeja-los aqui, mas é difícil até achar conteúdo do MUTTS até nas livrarias em sp. ~~”

Bem, tiro minha cartola para este trabalho sensacional (os dedos coçando pra não digitar o costumeiro “foda” ou “do caralho”… Se bem que acho que essas teriam a carga que gostaria de expressar. Mas como este é um blog de familia e…. não ´~`)… É um trabalho fodasticos, e merece uma atenção para quem curte tirinhas do gênero, mas ainda não conhecia esta até então.

mutts3

ai ai… *voltando para a cartola*

04/05/2014 / kamiyaferows

Corgi

Tudo que você precisa contra os zumbis.

Animação por John Cody Kim
Música por Devotchka

20/02/2014 / chapelleiro

A Menina Que Roubava Livros (Filme)

Hi-ho, pessoas que embelezam o mundo com vossas cartolas/cacholas. Pelo título já devem saber do que se trata o assunto. Mesmo que este chapelleiro ainda se encontre em êxtase pós este excelente filme, hei de dar aqui minha mão de cartas sobre o que acabei de ver há algumas horas atrás (tentarei a todo custo não spoilar sobre).

Filme: A Menina Que roubava Livros (The Book Thief)

A-Menina-que-Roubava-Livros-poster
Elenco: Geoffrey Rush; Emily Watson; Sophie Nélisse; Ben Schnetzer; Nico Liersch; Heike Makatsch; Gotthard Lange; Carina N. Wiese
Direção: Brian Percival
Gênero: Drama
Duração: 132 min.
Distribuidora: Fox Films

Segura essa sinopse de caixinha de dvd:
Durante a Segunda Guerra Mundial, uma jovem garota chamada Liesel Meminger sobrevive fora de Munique através dos livros que ela rouba. Ajudada por seu pai adotivo, ela aprende a ler e partilhar livros com seus vizinhos, incluindo um homem judeu que vive na clandestinidade.

Desculpem apelar para este lado genérico na sinopse, mas quero evitar ao máximo qualquer spoiler por parte de uma possível criação de sinopse minha.

– Mas então sobre o que diabos irá falar?

Sobre o porquê você deveria assistir a esse filme, claro, através da experiência que tive hoje.

– Ok. Me venda “seu peixe”.

Certo. Comecemos pelo (começo) livro. Eu não o li. Eu não sabia o que esperar do filme. Achava que seria um daqueles filmes onde a garota iria para uma biblioteca, e se apossaria de alguns livros por lá, ao mesmo tempo em que se desenrolaria um amor com algum garoto que ali trabalhava. (segura esse crepúsculo ai).
Mas ai me vem um amigo e diz: “Cara, você vai chorar”.

Pronto. Já ia começar a desenrolar mil teorias sobre amores melosos que terminam em tragédia, com aquela musica “Love Story” (Romeu e Julieta) tocando ao fundo, quando ele continua:

“Se passa na segunda guerra mundial”.

Certo… Obrigado por direcionar meu fosfato para outras teorias e “pijamas listrados”.
Bem, depois de me situar mais ou menos sobre o filme, fui lá ver o que se desenrolaria na telona.  O que vou descrever a seguir é a forma como captei o filme que me aconteceu nesta tarde.

O começo será narrado por alguém que domina as palavras tão bem quanto o mais inspirado poeta que se declara para a lua em seu brilho pleno. Confesso que a todo o momento que o narrador entrava meu coração gelava, como quem era domado por cada sentimento que suas palavras carregavam. Era magnífico e único. Confesso que fiquei triste por desejar bem mais de sua presença para o deleito dos meus olhos e ouvidos.

Mas tais palavras não se fazem sozinhas quando se trata de emocionar, pois a trilha sonora do filme vem em peso, arrematando o coração ali atento, que vai se entregando até mesmo nas horas mais tranquilas. Sim, os olhos marejando em cenas até tranquilas, pois estas se casavam perfeitamente com a musica, e também com a ação. Ah, sim, um adendo aqui para/sobre a tal”ação”:
Vai acontecer alguns bons enquadramentos (a maioria de pouquíssimos segundo), sem diálogos, onde a cena e musica falam por si só. Sei que é difícil e até estranho pedir isso, mas tentem se colocar na pele do personagem. No tato, quando se toca um livro, roça um cabelo, ou toca-se o chão. No ambiente, como o frio que se faz amigo íntimo, o medo de ficar em um determinado local, o cheiro de mofo de um porão. E no pensamento, do carinho que uma mãe depositou em seu (a) filho (a), ou ver alguém conhecido sendo espancado por guardas, ou mesmo no momento onde a esperança brinca de esconder e só depois dá as caras.

a-menina-que-roubava-livros-filme-fotos-oficiais-2013-pizza-de-ontem-capa

Uma coisa que achei interessante: a imprevisibilidade se fará amiga, principalmente quando suas teorias estiverem concluídas em mente. Foi o que consegui reparar nas reações das pessoas durante o filme.

Sou meio neurótico em reparar também algumas trocas de cenas. Posso dizer que o filme possui ótimas trocas, o que já deve ser um dedão positivo para quem também faz isso. (outro filme que possui umas trocas de cenas fodasticas é o Sem Limites/Limitless – Neil Burger. Com roteiro de Leslie Dixon, baseado no romance The Dark Fields)

Well, sei que gosto é gosto, mas duvido que será dinheiro jogado fora assistir a esse filme/obra de arte, assim como muitos outros que estão perambulando por ai, no desconhecido da cartola. Recomendo fortemente que assistam a ele no cinema, pois a imersão costuma ser maior com uma imagem naquela dimensão. Só peço, por favor, coma um dogão, ou aquele sorvetinho hidrogenado e gostoso antes de entrar no cinema, pois se for pra comprar um fucking saco de pipoca tamanho “família que não veio”, já é sacanagem. Talvez seja um tick meu com barulho, mas duvido que durante alguma coisa prazerosa da vida você iria querer um casal bem do seu lado, conversando e mastigando 3kg de manteiga com um pouco de pipoca nela. (Segura esse desabafo da cartola) Mesmo que lá “seja” um local para consumo de tal coisa, acho que você tem tamanho suficiente para respeitar e ter bom senso quando o assunto é pensar no outro (não decepcionem a cartola que usufruem, certo?).

Brincadeiras e avisos à parte, retomo: Valeu para mim cada centavo gasto, pois creio que algo fora absorvido dai, assim como sempre fazemos de uma boa experiência proporcionada por um livro/ filme/ musica/ momento/ acontecimento/ a garota que mora logo ali -q. Espero o mesmo à vocês, cartolas que aqui deixo. Vivam e absorvam.

Bom devaneio *voltando para a cartola*

PS: Se forem ouvir o ost/soundtrack, cuidado com os nomes das musicas do filme, pois pode ser que haja algum spoiler nele (falo isso porque já fiquei sabendo todo o desfecho de um filme pelos nomes das musicas).

Deixo aqui um trailer:

E uma musica:

IF_070114_HEAD

06/02/2014 / chapelleiro

Canta, Doce Vitrola!

E traz o bom Cicero consigo, sem demora:


(agradeço ao “storio” pela hospedagem dessas belas musicas)